DA UM TEMPO GILVAN! VAI LÁ PESCAR!!!

gilvanPois bem. Ano de 2012, Gilvan contrata Celso Roth para ser treinador do Cruzeiro, foi um ano medíocre para o clube, que terminou o Campeonato Brasileiro na nona colocação. Ao longo do período que Roth esteve à frente do time, farpas foram trocadas entre ele e o presidente Gilvan e sem nenhum pudor. Ambos faziam questão de questionar o trabalho um do outro nos microfones dos jornalistas que cobriam o clube na época.

Chegou o ano de 2013, Celso Roth picou a mula e de forma corajosa o presida Gilvan trouxe Marcelo Oliveira, mesmo com a desconfiança da torcida. Uma parceria de sucesso se formaria nesse ano, a do treinador com o diretor de futebol, Alexandre Mattos. O dirigente trouxe ótimos jogadores para o Cruzeiro e sobre a batuta de Marcelo Oliveira, o time voou e superando todas as expectativas, conquistou o Campeonato Brasileiro de forma brilhante.

De forma inteligente, Gilvan manteve em 2014, o que já havia dado certo no ano anterior. Continuou com Marcelo Oliveira a frente do time, Mattos de diretor de futebol e ainda reforçou o elenco. Ai amigo foi sapo nágua, Cruzeiro bicampeão brasileiro de futebol. Mas apesar do título, alguns tropeços no decorrer do ano arranharam a relação entre Gilvan, Mattos e Marcelo. A eliminação na Copa Libertadores por exemplo, foi uma situação que trouxe discórdia na cúpula celeste.

Antes do termino do ano, o clube sofreu uma baixa importante. Mattos deixou o Cruzeiro. Na época, o diretor afirmou que os motivos de sua saída, não passavam por questões financeiras. Bom para mim, papo furado e se caso essa afirmação realmente for verdadeira, ele com toda certeza já sabia o que encontraria no ano seguinte.

Pois bem, veio 2015. Uma zona se instaurou no Cruzeiro. Gilvan decidiu que o clube não precisava de alguém que desempenhasse o papel de diretor de futebol, virou a casa da mãe Joana. Um monte de jogadores foram contratados, atletas que não tinham a menor condição de vestir a camisa do Cruzeiro. As negociações vazavam na imprensa com extrema facilidade e como no futebol o segredo é a alma do negócio, as tentativas de contratações acabavam frustradas, o que levou o torcedor a ficar extremamente preocupado com o futuro do clube.

Cada dirigente falava uma língua dentro do Cruzeiro, um querendo aparecer mais que o outro e o presida se mantinha inerte e certo de que o clube não precisava mesmo de um diretor de futebol, que estava tudo bem. No meio dessa bagunça danada, Marcelo Oliveira tentava se virar, afinal o time teria pela frente uma Libertadores.

A competição internacional começou e o time do Cruzeiro era muito do mediano. A principal estrela era o uruguaio Arrascaeta, precisa falar mais alguma coisa? Bom e foi durante o torneio que as tretas entre Marcelo Oliveira e Gilvan se intensificaram. O treinador entendia que seu time precisava de um meia de ligação, esse jogador nunca chegou, tenho certeza que desceram pela goela dele algumas contratações e que isso lhe deu uma indigestão danada. Gilvan, vaidoso que só ele, deve ter ficado “pistola” da vida com as cobranças do Marcelo e aí o barco começou a fazer água.

O cenário de guerra piorou. Marcelo não conseguiu levar o Cruzeiro as finais do Campeonato Mineiro e para piorar, a eliminação, na semifinal, se deu para o maior rival. O alento é que o time seguia na Libertadores. Nas oitavas, aos trancos e barrancos, a Raposa eliminou o São Paulo. Nas quartas de final, no primeiro jogo contra o River, na Argentina, vitória celeste, 1 a 0. A esperança voltava a aparecer na Toca. A torcida deu uma trégua nas cobranças, a imprensa, que andava no pé dos dirigentes, deu um voto de confiança e aí… e aí… veio a tragédia.

O Cruzeiro fez uma das piores partidas desde a sua fundação, foi um time covarde, medroso, completamente perdido em campo. Os argentinos do River passearam no Mineirão, nos eliminaram, meteram 3 a 0 no placar, fora o baile.

Aí azedou a garapa. O presidente Gilvan, ao meu ver, de forma precipitada anunciou a demissão de Marcelo Oliveira, até aí, tudo bem, demissões acontecem no futebol brasileiro até com uma grande facilidade, ainda mais de treinador. Mas a forma que a situação foi conduzida, PUTZ! Foi a pior possível. O presida tinha que ter tido mais respeito com o profissional Marcelo Oliveira, o cara juntamente com os atletas, conquistaram dois títulos brasileiros seguidos para o clube. Obvio que o Marcelo saiu chateado.

Para completar a cagada, o mandatário maior contratou para o cargo de treinador, nada mais, nada menos, do que o Luxemburgo. Tipo assim: PUTA QUE ME PARIU. Para incrementar o bosteiro, Gilvan trouxe para o cargo de diretor de futebol um indicado do profexor, Isaias Tinoco. Pronto o projeto serie B estava completinho.

Foi uma desgraça só. Derrota atrás de derrota no Campeonato brasileiro, time eliminado da Copa do Brasil, jogadores claramente insatisfeitos com o novo comandante. Olha o Luxa conseguiu algo inédito, ele desagradou todo mundo, torcida, imprensa, gato, cachorro, passarinho, elefante, unanimidade. Mas… Tinha uma pessoa nesse planeta que ainda acreditava no projeto do Luxemburgo, quem, quem, quem? Gilvan de Pinho Tavares, ele, o presida do Cruzeiro.

Olha que estou para falar que o presida estava era de pirraça com o torcedor, só isso pode explicar manter o profexor tanto tempo a frente do Cruzeiro. A teimosia do Gilvan até que rendeu coisa boa. Desesperado com a insatisfação da torcida, a coisa já estava virando ódio, o mandatário buscou na base o Bruno Vicintin e o colocou como vice de futebol.

No dia 31 de agosto de 2015, depois de ser derrotado pelo Santos, no Mineirão, pelo placar de 1 a 0, o profexor caiu. Vicintin agiu rápido e trouxe Mano Menezes. O novo treinador conseguiu fazer a leitura do elenco que ele tinha para trabalhar, montou um esquema tático que melhor se adequava ao material humano que ele tinha em mãos e assim ele fez com que o Cruzeiro terminasse o Brasileirão de 2015 de forma digna.

Mano Menezes se mostrava super empolgado para a temporada de 2016, doce ilusão. Apesar do seu discurso de que tudo que um treinador busca é estabilidade para trabalhar, justamente o que o Cruzeiro estava lhe ofertando, uma proposta da China, milionária, diga-se de passagem, tirou o profissional da Toca.

Cruzeiro começou o ano de 2016 apostando. Apostou em ter um treinador sem experiência nenhuma na profissão de técnico. O clube efetivou Deivid como o novo comandante do time. De auxiliar de Luxa e Mano, para treinador de um dos maiores clubes do Brasil, não foi um pulo na carreira, foi um salto no tempo. Apostou em jovens promessas do futebol brasileiro, em gringos desconhecidos, apostou em não fazer grandes investimentos no time, tentou a mesma política que já tinha sido praticada em 2012, a do bom e barato. Da mesma forma que deu errado naquela oportunidade, está dando errado agora.

Até o momento, o que podemos concluir é que: Apostar no Deivid foi uma puta cagada. Jogador bom e barato não existe, apostar em jovens promissores é interessante, desde que se tenha um elenco com jogadores experientes, que possam dar suporte a essas promessas, caso contrário é queimar talento.

Para terminar de foder com tudo. Estamos à deriva. O Cruzeiro não tem um treinador. O time enfrenta a Campinense, pela Copa do Brasil, sem um comandante. Quem vai estar no banco de reservas é o auxiliar Delamore. Calma que piora.

Faltam menos de 10 dias para o início do Brasileiro… Calma!!! Vai piorar… Os dirigentes do Cruzeiro não conseguem arrumar uma criatura de Deus para treinar o Cruzeiro. Sim, ta foda arrumar um comandante para esse time gigante.

Porra baita textão né? Deixa eu explicar o porque dele.

Reparam que toda vez que o Presida entra em cena da merda! Contratou Celso Roth e o treinador detonou o dirigente. Você pode falar: “mas ele que bancou o Marcelo e o Mattos”. Sim, bancou, mas permitiu que eles trabalhassem em paz, sem a sua interferência. Ai a coisa fluiu e muito bem. Seguindo o raciocínio. Mattos foi embora, o que o mandatário fez? Achou que dava conta do riscado, não contratou um diretor para ocupar o cargo e o que aconteceu? Ferrou tudo. Gilvan resolveu que Marcelo Oliveira não servia mais para treinador do clube, demitiu o treinador, daquela forma bizarra e trouxe quem? O profexor. E mesmo com o camarada fazendo uma campanha pífia, com um time completamente perdido em campo, o presidente seguiu bancando os insucessos do cara, enfureceu a torcida, criou uma hostilidade do torcedor com a equipe, totalmente desnecessária.

Ai olha só! O presidente deixou o Vicintin trabalhar, quem veio? O Mano, que ajeitou a casa. A porra do futebol chinês fodeu o esquema todo. Não vou ser injusto, não sei de quem foi a brilhante ideia de efetivar o Deivid, mas com certeza teve a benção do presidente. Também não sei de quem foi a teimosia de manter o Deivid, mas certamente teve o consentimento do presida.

Agora tem essa, quem vai ser o novo treinador? Que situação. Tomamos um não do Jorginho, é mole! Marcelo Oliveira, educadamente, deu um tapa de luva no seu algoz, o Gilvan, Fernando Diniz (graças a Deus) também foi rejeitado pelo mandatário.

Quem quer vir, que é o caso do Adilson Batista e quer muito, o presidente Gilvan não quer, tem birrinha do treinador. PORRA!

Gilvan quebra um galho. Sai de cena só um cadinho, deixa o Bruno e o Scuro resolverem essa treta. Se der merda, você fala que a culpa foi única e exclusivamente deles, se der certo, eles enaltecem você, falam que foi indicação e decisão sua de contratar, aí você reaparece, posa de fodão e pronto. Todos vão ficar felizes.

Esses 45 pontos que não chegam logo.

Comentários

Comentários

Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Sobre Programa Rivalizando

Rivalizar é preciso e faz bem

4 Respostas de “DA UM TEMPO GILVAN! VAI LÁ PESCAR!!!”

  1. Leonardo Monteiro 3 de Maio de 2016 at 21:39 #

    Volta Adilson Batista!

  2. @lem 3 de Maio de 2016 at 22:43 #

    Puta que pariu! É isso mesmo! Traz logo o AB e pronto! Deixa 2016 começar logo!!!!

  3. Álvaro Fonseca 3 de Maio de 2016 at 23:06 #

    Putz! É isso cara! Exatamente! Estamos a mercê de um velho q acha q tá com um jogo de dama nas mãos, quando na verdade tem um gigante chamado Cruzeiro. Precisamos fazer algo, esse velho asqueroso precisa sumir do Cruzeiro.

  4. Fábio Rocha 4 de Maio de 2016 at 19:24 #

    Ainda tenho esperança que uma luz vai iluminar o Gilvan e ele vai trazer o Adílson.
    Continue com esse bons textos Genta, Cruzeirense não tem preguiça de ler como certos atleticanos “jornalistas” ae do programa não.

Deixar uma resposta