Rodrigo Genta

[useful_banner_manager banners=1 count=1]

 

somosgenta01

Jornalista e Produtor Editorial. Trabalhei de 2007 a 2011 no Cruzeiro. De 2007 a 2008 estive nas Categorias de Base do Clube, fazia a assessoria de imprensa da Toca I, de 2009 a 2011, trabalhei na Toca II, na TV Cruzeiro.

Cobri 3 Copas Libertadores, 3 Campeonatos Brasileiros, 3 Campeonatos Mineiros (2009, 2010, 2011), 2 Copas São Paulo de futebol júnior (2007 e 2008), 2 Taças BH (2007, 2008), Copa Nike de futebol sub 17 (2008), Copa 2 de Julho, categoria Juvenil (2008). Fiz a Cobertura Jornalistica do torneio de Verão no Uruguai em 2009 e da viagem do Cruzeiro aos Estados Unidos (2010).

Em dezembro de 2011 sai do Cruzeiro e em Março de 2012 fui contratado pela TV Bandeirantes, para a Editoria de Esportes do Programa Golasô e posteriormente para o atual programa de esportes da casa, o Os Donos da Bola, onde atuo como Produtor e cinegrafista.

 A profissão me permitiu estar bem próximo, dentro do campo, nas duas conquistas seguidas de Campeonatos Brasileiras do Cruzeiro. E apesar de não poder “torcer”, pois estava a trabalho, foi sensacional participar desses momentos históricos do clube.

Jogos Memoráveis

A década de 80 não foi fácil para o torcedor Cruzeirense. O rival tinha um time muito superior e os clássicos eram sempre complicados, ai começaram os anos 90 e as coisas mudaram. Em 1990, Cruzeiro e Atletico fizeram a final do Campeonato Mineiro, O Cruzeiro venceu por 1 a 0, gol de cabeça do meio-campo Careca. Na época eu tinha 13 anos e me recordo de ter comemorado feito um doido. Comprei todos os Jornais no dia seguinte, tripudiei e muito dos amigos atleticanos da escola, extravasei toda angustia e raiva vivenciadas na década de 80.

Profissionalmente o jogo que me marcou foi a final do Mineiro de 2009. Acompanhei de perto a preparação do time, pude ver detalhes que precederão a goleada no rival por 5 a 0. A vontade que o então treinador do Cruzeiro, Adilson Batista, tinha de vencer o clássico. O papo com os jogadores momentos antes da partida foi contagiante, alucinante e refletiu em campo. Os jogadores entraram em campo com muita vontade e não era só de vencer, mas de colocar o nome na história do clube e foi o que aconteceu.

Leia também